segunda-feira, 29 de julho de 2013

E por falar em dignidade...


A dignidade da pessoa humana é um valor, um discurso, uma ideologia, um princípio e etc... Pode ser analisada por vários ângulos. Consta na Constituição brasileira no artigo 1º, inciso III. É um dos fundamentos do Estado brasileiro.

A dignidade de um ser humano está ligada a impossibilidade deste ser tratado como meio. O ser humano como um fim em si mesmo (Immanuel Kant tem decisiva contribuição para a delimitação do conceito de dignidade da pessoa humana).

Com esta idéia em mente, rendemo-nos as palavras do livro do Professor André Ramos Tavares nas quais ensina que "a dignidade do Homem não abarcaria tão somente a questão de o Homem não poder ser um instrumento, mas também, em decorrência desse fato, de o Homem ser capaz de escolher seu próprio caminho, efetuar suas próprias decisões, sem que haja interferência direta de terceiros em seu pensar e decidir, como as conhecidas imposições de cunho político-eleitoral (voto de cabresto), ou as de conotação econômica (baseada na hipossuficiência do consumidor e das massas em geral), e sem que haja, até mesmo, interferências internas, decorrentes dos, infelizmente usuais, vícios" (Curso de Direito Constitucional, p. 513).

Ou seja, a dignidade de um homem ou de uma mulher é não ser tratado como um instrumento, mas também ser capaz de escolher seu próprio caminho sem imposições diretas.

Enquanto isto não ocorrer estamos desrespeitados em nossa dignidade. Lutar pela educação então não é um discurso vazio. É uma luta pela dignidade dos seres humanos.