sábado, 27 de outubro de 2012

Habitualidade...

Um dia desses li na internet que uma moça estaria leiloando sua virgindade. Nos comentários, não faltou quem a qualificasse como prostituta. Refleti, refleti... Aparentemente a intenção da moça não era se prostituir, tratava-se salvo engano de programa de televisão que produziria um documentário sobre a perda de sua virgindade, algo do tipo. Arte? Prostituição? Bom, a discussão é boa. O fato é que ela estava sendo remunerada para fazer sexo. Os comentários são cabeludos, mas me concentrarei para expor sobre o argumento da prostituição. Quem se prostitui é profissional. Para que haja profissionalismo é preciso habitualidade e, falando friamente, a venda da virgindade não poderia ser assim encarado visto que só se poderia vender uma vez! Não há como negar que existe uma questão moral colocada em jogo. Uma pessoa não deveria precisar vender seu corpo (ou alugar, sei lá) para satisfazer outra pessoa sexualmente. Para Kant esta é uma situação que ofende a dignidade humana, é não tratar o outro ser humano como um fim em si mesmo. Por outro lado para ele, fazer sexo fora do casamento também não era digno, então... Retomando o raciocínio, mas e se ela não precisa, é maior de idade e mesmo assim quer fazer? Bom, nesse caso não há razão para que a sociedade se preocupe com isso. Se é uma opção, a pessoa se resposabilizará pelo resultado dessa escolha. No Brasil se prostituir não é crime. Crime é explorar o outro a se prostituir. O que a sociedade precisa se preocupar é com a prostituição infantil e com os casos em que a prostituição é elemento de crime. Assim, por mais questionável que seja o ato de vender a virgindade, a moça não pode ser considerada prostituta, mas se vier a se tornar um dia, não será com a venda da virgindade e requererá habitualidade para que seja considerada uma profissional.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O Adriano, o que dizer?

Bom, Adriano... o que dizer? Lembro de um dos primeiros lances dele que vi. Ele estava no meio de campo a bola veio alta de um lance qualquer ocorrido um pouco mais a frente... era uma bola difícil, muito difícil de ser dominada e ele, um garoto, magricelo e alto, desconhecido. Aquela bola seria um meteoro para muitos garotos que, como o Adriano, são lançados nas arenas. Mas naquele dia Adriano observou a bola cair, deixou que ela seguisse no sentido de suas pernas, entre suas próprias pernas, fez com que escorresse do seu tornozelo ao calcanhar mudando seu sentido para o lado esquerdo do campo, mas permanecendo junto ao seu pé, o pé esquerdo claro, e a conduziu para o ataque, sofrendo uma falta logo em seguida. Naquele momento me animei, sabe... Vocês devem saber e eu sei... 

Sabe quando você percebe que um craque está surgindo no time? Caramba.. é uma daquelas sensações maravilhosas para um torcedor que há algum anos não sinto.  O torcedor do Vasco deve lembrar disso, eu lembro... do Edmundo... o Gerson estava comentando o jogo e o Edmundo (que nome feio!) entrou, pegou uma bola no meio de campo e não perguntou nada para ninguém partiu para o ataque... O Gerson na hora cravou: esse garoto tem futuro... e que futuro! Dava até medo (hoje posso falar) quando o Edmundo entrava em campo... No Fluminense, o Carlos Alberto, hoje vemos que ele não atingiu o que se esperava dele, mas o cara está há trinta anos jogando futebol e quando um jornalista informa a idade dele: 23... Também lembro do inferno que era aquele moleque entrando em campo para enfrentar o Flamengo... do Botafogo é que eu não lembro de ninguém, mas quando lembrar vou escrever um artigo só dele, para ninguém ficar chateado... Mas o que dizer do Adriano.. Dá para se dizer muitas coisas que ocorreram dentro de campo, principalmente aquele Brasil e Argentina. É o tipo de vitória que dá prazer. O que dizer dele hoje. Não digo nada. Mas espero... Vou esperar ele voltar a campo para dizer, pois veja, no Corinthians ele jogou um jogo apenas em 2011, um jogo apenas é o que eu lembro, e ele decidiu, deu a vitória ao Corinthians. Muitos corintianos devem estar felizes até hoje com aquele gol, porque eu fiquei muito feliz com o título de 2009 e acho que ele merecia estar na Copa de 2010. Mas como tem um mundo de gente burra no futebol o cara pensa assim: o Adriano foi artilheiro do Brasileirão 2009, melhor jogador do campeonato, mas faltou ao treino, então, como no futebol o mais importante é a disciplina, já que temos que dar o exemplo para as nossas crianças... é melhor levar Josué, o Grafite, o Felipe Mello... fala sério! Eu penso diferente... leva o Romário, o Adriano, o Ronaldinho Gaúcho, Fenômeno sempre que possível, porque o futebol não é exemplo de muita coisa não...