quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A boca de urna e a educação do povo...

A eleição ainda não acabou mas podemos perceber que muitas ferramentas são utilizadas pelos políticos à moda antiga para iludir a população. Em contrapartida, a legislação eleitoral utiliza sua força normativa para proteger a população carente. A maioria da população deste país é carente. Mas pense bem, por que vocês acham que é proibida a boca de urna neste país?

Se alguém acredita mesmo que é para preservar eu ou você que estamos lendo estas palavras, este alguém está errado. Provavelmente, se eu ou você, recebêssemos um santinho de candidato no dia da eleição amassaríamos, jogaríamos no lixo, e de forma alguma votaríamos num cidadão que não respeita uma norma tão simples quanto a que proíbe boca de urna.

Porém, nos cantos mais esquecidos deste país, em lugares onde a população não vê nenhum aparelho estatal num raio de quilômetros pode-se perceber a disputa eleitoral ser decidida por um santinho no chão. Os locais de votação amanhecem no dia da eleição cobertos por santinhos, pois os candidatos sabem que fizeram um esforço enorme para manter a população excluída, e, agora, basta encher a cabeça dela com seus jingles, entupir a paisagem com suas placas e sujar o chão com santinhos para ter sucesso nas urnas.

A maioria dos votos estão ali. Nestes cantos. São estas pessoas que elegeram a Assembléia, a Câmara, o Senado e etc. Se alguém acredita que elas não sabem votar, este alguém se engana. Da mesma forma que elas pegaram o santinho no chão, você se divertiu votando num desconhecido com cara de certinho. Muitas pessoas preferiram votar no Tiririca a dar seu voto a algum político da antiga. Caso ele cumpra sua promessa, ao menos saberemos o que se faz na Câmara do Deputados.

Daqui para frente, a sociedade, eu e você, precisaremos lutar pela educação no país. Precisaremos entender que não basta apenas votar. Quanto menos educação, mais fácil conquistar um voto com manobras. Quem quiser com sinceridade ver programas de governo discutidos no sentido do bem estar da população e não com fim eleitoreiro precisa lutar pela educação. Não há outro caminho.