sexta-feira, 9 de julho de 2010

As máfias dos taxistas!

Um taxista foi espancado na madrugada de quarta-feira no Aeroporto Tom Jobim por tentar pegar passageiro no "território" de uma cooperativa mafiosa. A opinião que melhor retrata a situação daqueles taxistas que dominam rodoviárias e aeroportos na cidade do Rio de Janeiro eu ouvi no RJTV de hoje de um ex-capitão do BOPE: "incompetência". incompetência da Secretaria Municipal de Transportes, que não tem controle das pessoas que estão ao volantes dos táxis. Da delegada que responde pela região, que deu uma entrevista se mostrando por dentro do que ocorre no aeroporto, ciente inclusive de outras agressões, mas parecia estar falando de uma brincadeira de criança. Na medida em que ela percebe que existe uma máfia, é preciso combater essa máfia, e não tratar como se fossem agressões isoladas, como aparentemente parece fazer nestes casos. Parece claro que os agressores são bandidos, não deveriam estar autorizados a dirigir um táxi. A primeira providência digna seria cassar a autorização destes taxistas. Outra coisa que sempre me perguntei: como será que é feita a escolha, pela prefeitura, das cooperativas que irão atuar nos principais pontos da cidade?!?!? Essa resposta foi dada também por um repórter no RJTV. Ele informou que, de acordo com as autoridades, não há reserva de mercado para nenhuma cooperativa atuar no aeroporto. Ah! Então é na porrada!

3 comentários:

Deixa disso! disse...

o que me alarma é a gratuidade da violência! Ontem uma amiga estava no banco e um rapaz de uns 28 deu uma cabeçada num senhor de idade porque ele não queria ir para a fila de idoso! Os dois sairam da agência de Laranjeiras sangrando. Tudo isso para não ficar mais alguns minutos numa fila, perder alguns trocados por causa de uma corrida ou matar para não pagar uma pensão alimentícia.

Leo Saoli disse...

Nossa Senhora! É um momento emblemático. Toda essa violência gratuita, falta de valores, falta de virtudes... É revoltante, mesmo!

Julio Cesar Santiago disse...

As pessoas estão perdendo suas refências axiológicas, suas referências valorativas. O diálogo, que no apogeu da democaracia ateniense, servia para buscar uma razão que explicasse a realidade, foi-se embora. Hoje, tudo se resolve na PORRADA mesmo. E não falo só em "porrada" física, mas também na "porrada"'ideológica.
Isso é grave. Como mudar tudo isso????