quinta-feira, 16 de abril de 2009

A farra com dinheiro público!

É incrível o que ocorre com o dinheiro público no Brasil. A Câmara dos Deputados, como noticia o site www.congressoemfoco.com.br, tenta legalizar a farra das passagens aéreas. Ou seja, os nossos representantes entendem que além dos seus salários o povo deve custear seus luxos pessoais.
Poucos dias atrás um parlamentar foi desmascarado com uma conta de celular de aproximadamente 14 mil reais custeada com dinheiro público, a justificativa foi mais absurda ainda, o celular foi emprestado para filha viajar para fora do Brasil. Se o parlamentar iria custear a conta, por que ela não foi com seu próprio celular?? Não se pode emprestar algo que não lhe pertence. É IMORAL.
Outro congressista presenteou namorada e artistas com passagens aéreas, inclusive para promover seus empreendimentos. Isso é grave. Constata-se que os políticos em geral utilizam as verbas públicas sem controle, sem prestar contas, e, em razão disso, utilizam em benefício pessoal. Se um parlamentar anda doando passagens é porque a cota de passagens é excessiva, está sobrando, ou seja, é desnecessária. Não concordo com a possibilidade de utilização dessas passagens por terceiros, É IMORAL. Como era imoral a possibilidade do nepotismo.
É preciso ser rigoroso com essas condutas para podermos educar os nossos políticos. Não se pode esperar altruísmo do Congresso Nacional, o cidadão precisar atuar com rigor quando votar e excluir esses tipos de suas listas.

Um comentário:

Túlio Albertto disse...

"Se um parlamentar anda doando passagens é porque a cota de passagens é excessiva, está sobrando, ou seja, é desnecessária."

Acredito que este seja o argumento mais racional, lógico, moral e suficiente para acabar com essa farra que acontece no Brasil. Ainda que toda essa história não fosse vergonhosa ao ponto de eu nem querer comentar, a verdade é que o dinheiro público não pode ser jogado fora e, como foi muito bem escrito, está sobrando, é excessiva, e, portanto, é desnecessária.
Sou um pouco mais "radical", se é que levar a sério a "república" é "ser radical". No cotidiano do serviço público existem muitos absurdos com a coisa pública, embora sejam bem "menores" do que essa vergonha de alguns membros do Legislativo. Na gestão da coisa pública não há "maior" ou "menor"...e sim atitudes indevidas, ilegais e inconstitucionais. Muita improbidade administrativa para pouca gente.
É a primeira vez que entro no blog.
Parabéns pelo conteúdo...
Um abraço.