segunda-feira, 23 de março de 2009

Lei seca X bom senso

Domingo de futebol no maracanã com as duas maiores torcidas da cidade sempre causa grandes transtornos. Mesmo o clássico sendo disputado há quase cem anos, medidas eficazes para reprimir os marginais (que não são torcedores) ainda não foram feitas. Uma tentativa muito coerente, que já tem alguns anos, foi vetar a venda de bebidas alcoólicas dentro dos estádios. Seguindo esta linha de justificar a violência por causa do álcool e já pensando na Copa de 2014, o senhor prefeito Eduardo Paes, e seu “Choque de Ordem”, proibiu também a venda de bebidas ao redor do Maracanã.

Pois bem. Acontece que quem criou e aprovou essa lei parece que nunca foi a um jogo de futebol. Muito menos num clássico dessas proporções. Vasco e Flamengo têm torcidas gigantescas e um ódio mútuo que atravessa gerações. O confronto entre alguns torcedores (muitos marginais assumidos) é quase inevitável. Mas medidas que impeçam essa batalha podem ser feitas para diminuir ao máximo o confronto. O que não se pode fazer é criar ainda mais confusão. Há anos as torcidas entram por lugares diferentes, os flamenguistas pela estátua do Beline e os vascaínos pela rampa da UERJ. Esses lugares viraram, com o passar dos anos, ponto de encontro dos torcedores e das torcidas organizadas. Por ser entrada exclusiva de cada time, o lugar sempre fica cheio, mas sem violência. Amigos se encontram, cantorias são invocadas antes da partida e como muitos estão ali para se divertir, uma cervejinha é sempre bem-vinda. Arrisco até dizer que essa cervejinha serve de pretexto para vários torcedores chegarem cedo ao estádio e/ou demorarem a entrar.

Mas o que acontece se você tira essa cerveja dessas entradas exclusivas? Obviamente, e sem hipocrisia, ninguém vai deixar de beber. E se você não pode beber ali vai procurar o bar mais próximo para fazê-lo. Bar este que antes era ocupado por moradores dos bairros que cercam o Maracanã. Portanto, com essa lei seca, a multidão que antes se concentrava ao lado da entrada do seu time, agora se espalha pelos bares da região e a cena para a batalha está montada. O que se viu nesse clássico dos milhões do último domingo foi, no mínimo, um clima estranho. A todo momento carros de polícia passavam apressados com a sirene ligada, xingamentos entre os torcedores eram exclamados e “bondes” de torcidas organizadas faziam arrastões por todo canto. O que era para ser um belo domingo de futebol na terra do futebol terminou com um torcedor do flamengo baleado no pescoço e vários torcedores dos dois clubes feridos e assaltados. Há de se ter bom senso nessas medidas que visam diminuir a violência nos estádios. É claro que muita coisa já foi feita com sucesso para apaziguar as brigas, mas simplesmente proibir a venda de bebidas ao redor do estádio me parece uma atitude preguiçosa e como disse acima, feita por quem não freqüenta estádios de futebol e, muito menos, já foi ao clássico dos milhões.

Um comentário:

Brunin disse...

muito bem colocado Fred, concordo 100% com vc, mas teve algum jogo este domingo? rsrsrs
Choque de ordem? Só pra Ingles ver :)